segunda-feira, 2 de maio de 2016

Que o campeão inglês sirva de exemplo!!!



O Leicester sagrou-se campeão inglês nessa temporada. Um clube que todos acreditavam que disputaria para não ser rebaixado e que teve uma penosa campanha na ultima temporada (o time não caiu devido uma inacreditável arrancada nas ultimas rodadas). Porém, o time comandado pelo italiano Claudio Ranieri mostrou um padrão de jogo surpreendente e dentro de suas limitações, técnicas e financeiras, manteve um equilíbrio durante toda a competição. Agora o que o Leicester tem haver com o Remo ou Paysandu? Tudo.

O time inglês é assíduo frequentador das divisões menores da Inglaterra, assim como a dupla Re x Pa aqui no Brasil. Nessa temporada o clube foi o quarto time com menos investimentos entre os 20 times que disputam a Premier League, apenas investiu mais que os três clubes que haviam subido de divisão na temporada passada. Para continuar falando da parte financeira, vamos ver quanto cada time faturou apenas com o patrocínio master para a atual temporada: (Valores em Libras)

Manchester United – Chevrolet – £47m
Chelsea – Yokohama – £40m
Arsenal – Fly Emirates – £30m
Liverpool – Standard Chartered – £25m
Manchester City – Eithad – £20m
Tottenham – AIA – £16m
Newcastle – Wonga -£6m
West Ham – Betway – £6m
Everton – Chang Beer – £5.3m
Aston Villa – Dafabet – £5m
Sunderland – Bidvest – £5m
Swansea – GWFX – £4m
Stoke City – Bet365 – £3m
Watford – 138.com – £1.4m
West Brom – Intuit Quickbooks – £1.2m
Leicester City – King Power – £1m
Norwich City – Aviva – £1m
Southampton – Veho – £1m
Bournemouth – Mansion – £750,000
Crystal Palace – Mansion – £750,000


Logo percebemos um abismo entre os clubes. A distância entre os times ainda aumentam se considerarmos os outros patrocínios, as cotas de televisão (apesar que na Inglaterra são bem mais justas que no Brasil), as vendas de materiais e etc. Então como os "Foxes" chegaram ao título? 

O Leicester mantem há temporadas a mesma base. Uma base sólida com jogadores que estão no clube há 13 anos, desde que o time encontrava-se na quarta divisão inglesa. Como os organizadores da Premier League se preocupam em fortalecer sua competição, os clubes mais modestos recebem uma cota mais justa pela participação na competição, cota essa que pode ser ainda maior devido a sua classificação final geral. O time do centro da Inglaterra ainda possui um bom centro de treinamento que garante uma boa qualidade de infraestrutura para os jogadores desempenharem seu melhor futebol em campo. As contratações e a formação da equipe foram feitas de maneira técnica e cirúrgica (claro, com menos dinheiro para contratar o time não pode ter o luxo de errar nessas contratações). A torcida abraçou o time e a cidade toda parou por um ano.

Já no Brasil...

Aqui no país pentacampeão mundial, nosso Campeonato Brasileiro mostra um abismo financeiro ainda maior entre os clubes. Veja as cotas de televisão para o Brasileirão 2016:


Por sua vez a nossa administradora da competição, a CBF, parece cada vez menos preocupada com os nossos clubes e com o equilíbrio do nosso torneio. O discurso é sempre o mesmo "Somos o país do futebol e os outros países que tem quem aprender conosco". Diferentemente do Campeonato Inglês, que como dito busca dar um equilíbrio maior na competição. Se formos considerar os patrocínios recebidos pelos clubes a diferença ainda aumenta mais. 

No Pará, temos um cenário muito parecido, em partes, com o do atual campeão inglês. Assim como o Leicester estava, Remo e Paysandu estão em divisões inferiores. Caso subam para a elite não receberão a mesma ajuda financeira que o Flamengo ou o Corinthians, por exemplo, assim como o Leicester não recebeu (em comparação aos gigantes ingleses). Os três clubes da matéria possuem torcidas apaixonadas. Porém, as semelhanças param por aqui. 

Nossa dupla não aprendeu ainda a gerenciar o futebol. O Paysandu ainda demonstra que está melhor estruturado e é inegável que sob o comando do Alberto Maia está evoluindo em vários aspectos, apesar de pecar ainda na formação do plantel. O André Cavalcante, presidente do Remo, iniciou agora seus trabalhos e ainda tem muito para mostrar. Apesar de algumas boas iniciativas iniciais, a formação do plantel para a disputa da Série C está causando calafrios na torcida. Nós não conseguimos manter nossa base e muito menos conseguimos aproveitar da nossa categoria de base. A maioria das contratações que são realizadas por nossos clubes são de jogadores que nunca ou há muito tempo não demostram nada no futebol. Algumas contratações geram certas estranhezas, pois fica a duvida se alguém da diretoria de futebol já viu realmente o jogador atuar. Lembrem-se que para um time de baixo orçamento dar certo as contratações não podem ser feitas de maneira equivocada. Leão e Papão não possuem um centro de treinamento e isso é talvez o maior fator para que nossos clubes não cresçam de fato. Não tem centro de treinamento nem para o profissional imagina como fica o desenvolvimento dos atletas de base. Tudo está interligado, o futebol é cada vez mais profissional e se o futebol paraense não se "profissionalizar" rápido e de maneira definitiva vamos ficar para trás. O Leicester venceu a Premier League, já no Pará parece que o nosso topo é ficar na Série B.






Nenhum comentário:

Postar um comentário